Sincoverg

Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários no Transporte de Passageiros, Urbano, Suburbano, Metropolitano, Intermunicipal e Cargas Próprias de Guarulhos e Arujá em São Paulo

Guarulhos, 20 de Novembro de 2017

Por condutores

Momento é de resistir e lutar sempre

Em artigo, Paulinho, presidente da CNTTL alerta sobre o pacote de “maldades” de Temer

foratemer

 

No dia 31 de agosto de 2016, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística da CUT (CNTTL) ficou de luto. A democracia, que para nós é sinônimo de liberdade, foi desrespeitada e jogada na lata do lixo. 61 senadores rasgaram a Constituição Federal e substituíram a vontade expressa por 54,5 milhões de votos, que elegeram uma mulher guerreira e honesta, a companheira Dilma Rousseff, para dar poder ao governo ilegítimo e golpista de Michel Temer.

O fato deles terem voltado atrás e terem permitido que Dilma não perdesse os direitos políticos é uma demonstração de que não havia crime. Eles não tiveram coragem de dizer nada contra ela, sobre sua honestidade, sobre sua lisura e retidão. Por isso, não tiveram coragem de retirar seus direitos políticos. Para nós, trabalhadores e trabalhadoras em transportes, esse fato é inadmissível, porque esse golpe de Estado além de misógino, homofóbico e racista é contra o povo e contra a nação!

E o pior ainda está por vir. O pacote de “maldades” anunciado pelo eterno governo golpista trará consequências nefastas para a classe trabalhadora, com a aprovação de projetos de leis que atendem aos interesses dos empresários, da elite e da mídia golpista – patrocinadores do golpe de Estado – que reduzirão investimentos em saúde, educação e moradia, vão eliminar direitos trabalhistas, acabar com a vinculação da aposentadoria básica ao salário mínimo, aumentado a idade para 70 anos para se aposentar, além de sucatear programas sociais e entregar as nossas riquezas, o Pré-sal, às corporações internacionais.

A agenda dos usurpadores ainda rasga as garantias da Constituição de 1988 e afronta as conquistas obtidas durante os governos do presidente Lula e o da companheira Dilma. No ramo dos transportes, os setores aéreo e portuário sofrerão o maior impacto negativo no mercado de trabalho e no setor comercial brasileiro.

A extinção das Secretarias de Aviação Civil (SAC) e da Secretaria de Portos (SEP), criadas no governo Dilma, que hoje viraram um “puxadinho” do Ministério dos Transportes, é um forte exemplo. O pacote de maldades de Temer prevê a terceirização sem limites de todos setores, isso agravará os empregos, já precarizados na aviação civil comercial, isso sem contar com a farra das privatizações de aeroportos públicos para iniciativa privada— já estão na mira os aeroportos de Porto Alegre, Salvador, Fortaleza e Florianópolis.

Essas privatizações prevêem uma redução drástica da participação no capital desses aeroportos da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Essa alavanche de desmontes atingirá também portos e ferrovias, desmontando empresas públicas rentáveis, que trarão como conseqüências para os trabalhadores a redução de empregos, direitos e o agravamento nas condições de trabalho.

Diante desse cenário de ataques e retrocessos, a CNTTL/CUT orienta todos os trabalhadores de transportes a resistirem! Somos contra essa agenda neoliberal e não vamos permitir retrocessos nas nossas conquistas. Temos que exercer resistência diária e aguerrida contra aqueles que querem o retrocesso social. Temos que combater o arbítrio e a tirania, sempre em defesa da democracia, da participação popular, da distribuição de renda, justiça social e dos direitos da classe trabalhadora.

Resistir, lutar sempre e temer jamais!

Paulo João Estausia é presidente da CNTTL/CUT

 

Fonte: CNTLL

secretaria da mulher