Sincoverg

Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários no Transporte de Passageiros, Urbano, Suburbano, Metropolitano, Intermunicipal e Cargas Próprias de Guarulhos e Arujá em São Paulo

Guarulhos, 22 de Setembro de 2020

Por condutores

Acordo Viação Atual: sindicato conquista pagamento integral de verbas rescisórias e multa de 40% sobre o FGTS

Após muita pressão e negociação do sindicato, junto com a força de cada trabalhador e trabalhadora, foi firmado um acordo com a Viação Atual

As conversas foram duras e longas, mas este mandato jamais aceitaria uma proposta que não respeitasse o trabalhador.

Por toda história, manutenção de direitos e transparência que sempre tivemos queremos informar que recusamos três propostas. Na primeira a empresa não queria pagar qualquer direito; na segunda 50% das verbas rescisórias (sem a multa de 40% do FGTS) e na terceira metade tanto das verbas rescisórias e da multa sobre o FGTS.

Negociamos, exigimos e conquistamos um acordo definitivo: garantimos 100% dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. Isso só foi possível por toda nossa luta e força, conquistada durante anos. A nossa história e caminhada do mandato tem nos tornados referência como sindicato.

Assim, o FTGS e a multa de 40% sobre o valor serão pagos integralmente até 30 de julho. Já o restante das verbas rescisórias será pago em 18 vezes (com a primeira parcela no dia 10).  Ainda há a possibilidade de redução de parcelas para aqueles que trabalharam por um tempo menor na empresa e, consequentemente, possuem valores menores a receber.

 

Todos os trabalhadores foram bem informados por cada passo do acordo e se mostraram satisfeitos com a atuação da diretoria do sindicato e, principalmente, com a tranquilidade de ter este acordo garantido. Somente a união mantém a força da categoria e do sindicato.

Compromisso:

O SINCOVERG também mantém seu compromisso com cada trabalhador e trabalhadora demitidos. Assim como para os ex-funcionários da Real Transportes e agora da Viação Atual, o ponto crucial, depois da pandemia, é a garantia de empregos. Os companheiros desligados das empresas terão prioridade. O momento é difícil e temos visto demissões em muitos setores, mas toda crise é passageira.

Continuamos acreditando que um bom sindicato se constrói com a força de cada trabalhador e trabalhadora, agindo sempre com transparência na luta pela manutenção de direitos, sendo entre os principais a vida e o emprego.

Seguimos na luta, que só faz sentido se conseguirmos fazer a diferença garantindo direitos e sendo implacáveis contra qualquer empresário que não respeitar cada trabalhador e trabalhadora.

Sozinho pode até se chegar em algum lugar, mas juntos vamos mais longe e juntos somos mais fortes!