Campo e Atual se comprometem a regularizar todos os pagamentos com os trabalhadores

Compartilhe essa notícia:

É do conhecimento de toda categoria que as empresas vêm alegando dificuldades para realizar os pagamentos aos funcionários. Entre as reclamações por parte das empresas, a que mais escutamos é o atraso do repasse do subsídio realizado pela prefeitura.

Em meio às declarações desencontradas entre empresas concessionárias e prefeitura, com diversos jogos de esconde, ocultando as planilhas de custos e lucros das empresas, faltando sempre com transparência do dinheiro público, quem sempre paga o pato somos nós, trabalhadores.

Entre as empresas, a pior situação está na Campo dos Ouros e na Viação Atual, que vêm atrasando os salários de todos os trabalhadores e prejudicando toda sua família.

Esses trabalhadores, que mesmo sem receber no dia correto, cumprem com suas obrigações, levando a população ao serviço, nossas crianças para as escolas, enfim, realizam a sua parte no contrato de trabalho.

Toda questão de pagamento, vale, ticket, PLR, são tratadas em nosso Acordo Coletivo, firmado entre as empresas todo ano no mês de maio. Não há uma vírgula fora do contexto e é isso que exigimos, que a empresa honre com o que assume.

Os trabalhadores já perceberam que o problema está na má administração das empresas e em chefetes que perseguem os trabalhadores.

O maior patrimônio da empresa são os seus trabalhadores e o sindicato irá agir toda vez que os empresários não respeitarem essa máxima.

Nossos trabalhadores suam a camisa dentro de um ônibus, e não podem ser penalizados por supostas dificuldades que as empresas alegam ter.

Ainda mais num final de ano nebuloso, já que o trabalhador não tem certeza se a escola que seu filho estuda vai fechar por causa de um governador nefasto, que rouba merenda e planeja fechar salas de aulas ou com um governo ilegítimo que está aprovando pacotes de maldades que atingirão diretamente a família desses trabalhadores.

Não são raros os trabalhadores que usaram a primeira parcela do seu décimo terceiro para pagar contas, já que seus salários estavam atrasados, impossibilitados assim de planejar a festa de final de ano, o presente para seu filho etc.
 
REGULARIZAÇÃO

É inevitável ressaltar que a proposta do SINCOVERG não mudou. Pagamento todo 5º dia útil e vale após 15 dias, porém, com todo histórico apresentado por essas administrações, mais uma vez os trabalhadores salvaram as empresas.

Em assembleia realizada com todos os trabalhadores da Campo dos Ouros e Viação Atual, foi aprovado um calendário de pagamentos para que as empresas pudessem regularizar suas contas e, assim, voltar ao pagamento como é determinado na Convenção Coletiva.

Nós do SINCOVERG, conhecendo os administradores das empresas, estamos como São Tomé, só acreditamos vendo.

Esperamos que, com esse ato de humanidade dos trabalhadores, a empresa Campo dos Ouros e Viação Atual honrem com suas palavras e cumpram o que prometeram.
 
NENHUM TRABALHADOR PENALIZADO

Destacamos que durante os três dias de paralização nenhum trabalhador teve seu direito retirado.

Graças a essa direção combativa, que tem à sua frente Maurício Brinquinho como presidente, todo movimento de greve é respeitado e nenhum trabalhador tem os dias descontados na folha de pagamento ou demetido pela empresa.

 

ACORDO SÓ VALE PARA A CAMPO DOS OUROS E VIAÇÃO ATUAL

Ressaltamos que essa exceção não substitui a Convenção Coletiva, esse acordo de emergência feito com as empresas Campo dos Ouros e Viação Atual não influencia nos pagamentos das outras empresas.

É um acordo feito para que a Campo dos Ouros e Viação Atual regularizem seus débitos com os trabalhadores, as outras empresas seguirão normalmente com o calendário de pagamento acordados em nossa Convenção Coletiva.

Qualquer irregularidade procurem imediatamente o SINCOVERG.

 

 

Juntos somos mais fortes, juntos somos SINCOVERG.

Toda questão de pagamento é tratada em nossa Convenção Coletiva. Não há uma vírgula fora do contexto e é isso que exigimos, que as empresas honrem com o que assume
Compartilhe essa notícia:

Veja também: