Proposta para impedir exclusão de cobradores de ônibus deve chegar ao STJ

Compartilhe essa notícia:

O sindicato irá recorrer da decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), favorável à administração pública.

O relator, desembargador Péricles Piza, entendeu que o Legislativo guarulhense não tem o poder de impor regras no sistema de transporte coletivo da cidade, e atribui esta função ao Poder Executivo. A proposta de impedir a exclusão dos cobradores nos ônibus foi apresentada em março deste ano por Brinquinho e aprovada pela Câmara Municipal. Entretanto, a iniciativa foi vetada por Guti (PSB), que teve sua decisão contrariada pelo legislativo.

O prefeito levou o tema para decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo. E no entendimento do TJ-SP, o prefeito Guti é quem tem o poder de excluir ou não a atividade nos coletivos do município. Alegando questão de segurança no cumprimento da função, o Sincoverg irá conduzir esse assunto até o STJ.

A dupla função de motorista e cobrador é exercida por um único profissional, assim como já é realizada nos coletivos da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU). No município, a tarifa de ônibus possui dois modelos e valores distintos para quem utiliza o Bilhete Único e dinheiro.

 

Repost: Guarulhos Hoje

A disputa entre o prefeito Guti (PSB) e o Sindicato dos Condutores de Guarulhos, presidido pelo vereador Maurício Brinquinho (PT), para manutenção ou exclusão da função de cobrador nos coletivos deve parar no Superior Tribunal de Justiça (STJ).
Compartilhe essa notícia:

Veja também: